Blog do Marcelo Lira

Blog do Marcelo Lira
Apenas minha OPINIÃO, todos tem o DIREITO de discordar dela, mas todos tem o DEVER de respeitá-la...

domingo, 27 de outubro de 2013

O QUE O CIDADÃO MARANHENSE SEM SAÚDE, EDUCAÇÃO, SEGURANÇA E CULTURA PODE FAZER COM O ASFALTO ELEITOREIRO???

Hoje pela manhã um "jornalista chapa-branca" queria, na semana e que a governadora anunciou corte nas verbas da SAÚDE, EDUCAÇÃO e SEGURANÇA para o Maranhão em 2014, e os repasses dessas verbas para a Secretaria de Infraestrutura onde seu desconhecido candidato faz pré-campanha financiada por dinheiro público, convencer que mesmo com esse retrocesso a proliferação de asfalto eleitoreiro pelo estado, seria um avanço, através do seu FACEBOOK...
Depois de um comentário meu criticando esse absurdo, um "defen$or" veio dizer que investir em asfalto era investir diretamente em educação, saúde e segurança...
Então eu disse pra ele o que um cidadão maranhense sem educação, segurança e saúde pode fazer com o asfalto no momento em que precisar desses serviços essenciais, caso queiram ver a postagem e os comentários na íntegra, é só acessar o LINK AQUI:

"sim asfalto como saúde, educação e segurança, quando o cidadão estiver com o filho 

doente, sem condições de melhorar de vida por não ter tido educação de qualidade e preso 

em casa porque a violência toma conta das ruas, ele vai dizer, TEM NADA NÃO, TEMOS 

ASFALTO, aí ele pega 3 pedaços de asfalto.:


1 - com a primeira ele faz um chá medicinal e dá pra criança. 


2 - com o segundo ele vai riscar na calçada pra ensinar a criança a ler se ela ficar saudável 
e sobreviver. 


3- e a terceira ele joga no bandido pra se defender. ..


Esse balela pode até ser eficiente com a massa que vocês tentam manter ignorantes para 

se perpetuar no poder, mas não com quem te informação. ..


Educação e saúde são investimentos primários que dão origem a outros benefícios, e a 

recíproca não é verdadeira..."

5 comentários:

  1. O madeira deveria ir nos ônibus da VBL, no período de meio dia , que estão lotados humilhando os passageiros com paradas que nem se quer existem.

    VAI DE RETRO MADEIRA SARNEY.

    ResponderExcluir
  2. O QUE PODEMOS FAZER COM UM PREFEITO DESSE QUE , É COMPRADO ATÉ PELA VBL ?

    ResponderExcluir
  3. Aécio dá 'videocassetadas' em economia para declarar submissão ao FMI



    Bastou o Fundo Monetário Internacional (FMI) tecer algumas críticas ortodoxas contrárias à política econômica do governo brasileiro para o senador Aécio Neves (PSDB-MG) ter uma recaída de submissão ao órgão, como aquelas ocorridas durante o governo FHC. E o senador usou alguns argumentos que foram verdadeiras "videocassetadas" econômicas quando, na quinta-feira passada (24), resolveu comentar publicamente um relatório daquele organismo financeiro, sabidamente a serviço do neoliberalismo mundial..... "Ao apostarmos no crescimento apenas via consumo, abandonamos aquilo que era fundamental: criar condições para que a oferta aumentasse...", disse o senador, ignorando o que qualquer comerciante sabe. Afinal, consumo é demanda e é esta demanda que move as forças produtivas para haver oferta.Leia mais aqui

    ResponderExcluir
  4. Policiais em pé de guerra com Alckmin

    Críticas da categoria englobam decisões tomadas nos protestos de junho e mudança na cúpula da Segurança

    As manifestações de policiais por aumento salarial que tumultuaram a Assembleia Legislativa de São Paulo na semana passada expuseram um gargalo político que preocupa o governador Geraldo Alckmin (PSDB), candidato a reeleição em 2014. Por mais que tente se aproximar da categoria, que representa um universo de 200 mil pessoas e encarna o debate sobre segurança pública, o tucano é considerado pela maioria das 17 entidades que representam as forças policiais como um adversário a ser batido.

    As críticas são duras e partem de todos os escalões e partidos, inclusive de siglas da base aliada de Alckmin e do próprio PSDB. Os espectro das queixas vai além dos salários. Engloba as decisões tomadas nos protestos de junho e a mudança na cúpula da Segurança Pública.

    O vereador paulistano Adriano Lopes Telhada (PSDB), conhecido como Coronel Telhada, é o principal representante dos tucanos na categoria. Apesar de ser do partido de Alckmin, sua avaliação sobre a segurança, um dos temas que deve estar no cento da campanha de 2014 no Estado, é bastante dura. "O combate ao crime organizado caiu bastante com a chegada do (secretário de Segurança Pública) Fernando Grella (que tomou posse em 2011 no lugar de Antonio Ferreira Pinto)", diz.

    PCC.

    O "fogo amigo" surge justamente no momento em que uma pesquisa feita pelo PSDB para consumo interno registrou que a popularidade de Alckmin cresceu depois da revelação de que o PCC teria planejado sua morte devido à postura "dura" contra os bandidos. Isso credenciaria o discurso tucano de "coragem" no enfrentamento ao crime organizado e serviria de antídoto aos ataques da oposição, que aponta o crescimento do PCC durante os seguidos governos tucanos.

    "O crime organizado de São Paulo é fruto do PSDB", diz o deputado estadual Edinho Silva, presidente do PT paulista.

    Presidente do PSDB no Estado, o deputado federal Duarte Nogueira minimiza o mal-estar com a polícia. "São Paulo tem os melhores indicadores de combate ao crime do País. O governador deu aumento real para os policiais" afirma.

    Chetè da polícia militar paulista em três governos tucanos - José Serra, Alberto Goldman e Geraldo Alckmin- o coronel Álvaro Camilo, hoje vereador da capital pelo PSD, se consolidou como um dos principais líderes militares de oposição ao governo. Ele também reclama do novo secretário, mas com um argumento oposto ao de Telhada.



    Kassab.

    Interlocutores de Alckmin creditam ao ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD), que também deve concorrer ao governo em 2014, o bem sucedido movimento de unificar o discurso de uma categoria historicamente desunida no âmbito político.

    Ele teria conseguido uma interlocução intensa com a Polícia Militar depois de colocar 156 coronéis em cargos chaves da prefeitura, o que inclui o comando de 30 subprefeituras da capital. Além disso, teria se aproximado dos dirigentes das entidades policiais e construído pontes para se aproximar de um eleitorado fiel estimado em pelo menos 1 milhão de pessoas.

    Esse movimento teria ganhado densidade com a decisão do ex-secretário de Segurança Pública Antonio Ferreira Pinto de migrar para o PMDB para disputar uma vaga de deputado federal - no campo de oposição aos tucanos. Outro fator que preocupa dirigentes do PSDB é a pré-candidatura do deputado estadual Olímpio Gomes, ex-presidente da Associação Paulista dos Oficiais da Polícia Militar do Estado de São Paulo, ao Palácio dos Bandeirantes pelo PDT, partido que orbita na área de influência do PSDB paulista. Sua presença no horário eleitoral gratuito e nos debates teria potencial de acuar o governador no tema da segurança pública.

    Bate-rebate

    "Essa gestão é insatisfatória" Angelo Crisuolo - Presidente da Associação dos Sargentos e Subtenentes do Estado de São Paulo






    ResponderExcluir
  5. MARINA SILVA , SARNEYS , PSDB(MADEIRA) , NÃO TEM NADA DE DIFERENTE, TODOS SÃO IGUAIS.

    Pastor Marco Feliciano afirma que Marina Silva “se traveste de cristã” e critica parceria com Eduardo Campos: “Oportunismo”
    Uma rivalidade anunciada ganhou contornos concretos esta semana. O pastor Marco Feliciano (PSC-SP), líder da Assembleia de Deus Catedral do Avivamento, afirmou que não apoiará uma eventual candidatura da missionária assembleiana Marina Silva (PSB) à presidência da República.

    Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Feliciano classificou a ida de Marina Silva para o partido do governador pernambucano Eduardo Campos como “oportunismo”.

    “De repente, eu vejo Marina virar socialista e ir para o PSB. Deu um nó na minha cabeça. Para mim, é mais um oportunismo e eu teria dificuldade em apoiar Marina. Farei o possível no meio evangélico para abrir a mente do nosso pessoal porque não é pela carinha, pelo estereótipo de evangélica, que ela vai simplesmente cooptar os nossos votos”, afirmou.

    Marina Silva filiou-se ao PSB no último dia 05 de outubro, após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negar o registro da Rede Sustentabilidade, movimento político que a ex-senadora tenta transformar em partido.

    A princípio, Marina filiou-se ao PSB para participar das eleições apoiando a candidatura de Eduardo Campos, e no momento existem apenas especulações a respeito de uma eventual substituição na cabeça de chapa do PSB, trocando o governador pernambucano pela ex-senadora à frente da candidatura do partido ao Planalto.

    Feliciano afirmou que, num eventual segundo turno, não apoiará Dilma Rousseff (PT) e que, se o adversário da atual presidente for o tucano Aécio Neves (PSDB-MG) ou Eduardo Campos (PSB-PE), qualquer um deles terá seu apoio: “Ainda não me defini, mas ambos têm a minha simpatia. Aécio pelo histórico e Campos pelo entusiasmo”.

    O pastor Marco Feliciano justificou seu pensamento dizendo que não tem confiança na postura da ex-senadora: “Eu sinto um pé-atrás com a Marina. Na campanha de 2010, ela vinha com um viés evangélico e eu passei a ouvi-la, ainda mais da minha igreja, a Assembleia de Deus. Eu achei que era uma luzinha no fim do túnel e passei a ouvir os discursos dela”, disse, complementando que teve uma “decepção” ao ver que a então candidata à presidência não adotou a postura dele em relação a questões como o aborto, por exemplo.

    À época, o mesmo motivo levou o pastor Silas Malafaia retirou seu apoio à missionária e passou a indicar o voto em José Serra (PSDB-SP). Agora, com o anúncio da parceria entre Campos e Marina, Malafaia chegou a comemorar no Twitter provocando o partido de Dilma Rousseff: “Chora PT”.
    Compartilhar

    Em suas críticas a Marina, Feliciano demonstra ressentimento com a postura adotada por ela durante os ataques feitos a ele por ativistas gays, e junta pensamento político com orientação religiosa para criticar a ex-senadora: “Ela teria tudo para representar o segmento. Ela bebe da nossa fonte de costas. E quando o povo quer ver, ela se esconde”, disse, afirmando que Marina “se traveste como cristã [mas] quando precisa chegar junto e mostrar o posicionamento, se esconde atrás da política”.

    ResponderExcluir

PENSO, LOGO EXISTO (René Descartes)...

PENSO, LOGO EXISTO (René Descartes)...

Seguem esse blog: