Blog do Marcelo Lira

Blog do Marcelo Lira
Apenas minha OPINIÃO, todos tem o DIREITO de discordar dela, mas todos tem o DEVER de respeitá-la...

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

PSD "MATA" DEM NACIONALMENTE, MAS IMPERATRIZ PODE DAR UMA SOBREVIDA AO DECRÉPTO PARTIDO DOS MILITARES...

 Os colegas,  Rui Porão e Frederico Luis, dois dos mais bem conceituados blogueiros da região,  fizeram recentemente postagens bastante interessantes em que vi grande ligação, embora  tivessem abordagens opostas, mesmo se tratando de um tema tão próximo.
Rui falou do DEM como grande força nas eleições municipais de 2012 em Imperatriz e citou uma série de nomes de prováveis pré-candidatos a vereador pelo partido, e divulgou que a meta do Democratas é eleger 6  (seis) vereadores.
O PSD vai matando o DEM lentamente, poucos sentirão saudades...
 Já Frederico, em uma excelente abordagem fala do surgimento do PSD e do inevitável enfraquecimento do DEM com a migração de algumas de suas "peças" mais importantes para a nova sigla.
Quanto à força do DEM nas eleições imperatrizenses de 2012, tenho que discordar do colega Rui, e creio que com a exceção da sua candidatura, todos os outros nomes citados fazem parte do passado político imperatrizense enterrado por mandatos de pouca utilidade para a cidade ou apoiados em sobrenomes  importantes da política municipal no século passado. Mas com o pífio desempenho de alguns vereadores da atual composição, creio que o DEM pode conseguir de 33% a 50%, no máximo, da sua meta, portanto, aposto no Rui e mais um ou dois, que talvez nem estejam nesta lista de "novidades".
Sem falar que ao mesmo tempo que o DEM já lança a ex-Secretária de Saúde ildista, a odontóloga Rosângela como pré-candidata.
E alguns especulam na provável pretensão do atual presidente da Câmara Municipal Hamilton  Miranda, em migrar pra nova sigla, em busca de um lugar ao sol na sucessão municipal fora do ninho tucano-madeirista. Se isso se confirmar, surge em Imperatriz uma forte concorrência a Madeira com dois nomes de peso, e acaba o sonho madeirista de ganhar por W.O.
Quanto ao post de Frederico Luis, nada tenho a fazer do que concordar em gênero, número e grau que o DEM, indiscutívelmente, está mais fraco com o nascimento do PSD e que a velha sigla oriunda dos Militares ARENA, do PDS e do PFL  está com os dias contados em nível nacional, esmagado pela eficiente estratégia PTista de extinção da oposição, mas que talvez possa vir a ter uma sobrevida em Imperatriz.
A tendência é que os "Heróis da Resistência" do Democratas aos poucos se enfraquessam e voem para ninhos tucanos ou abracem o Lulo-Dilmismo-PTista.

VEJA OS TEXTOS DOS BLOGS DO RUI PORÃO (BRP) E DO FREDERICO LUIS (BFL).

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

ARROGÂNCIA E PREPOTÊNCIA NO DESRESPEITO A UMA CIDADÃ EM PROGRAMA POLICIAL DE IMPERATRIZ...

No Programa "Bandeira 2" exibido na amanhã desta segunda-feira (26) que provavelmente deve ter sido gravado na noite de sábado para domingo, vi uma cena que ilustra grandiosamente como uma pessoas que se "veste" do poder dado pelo povo se sente superior e inatingível pela lei, menosprezando-a através de uma atitude arrogante e prepotente do apresentador do referido programa policial matinal.
No caso em questão o  programa mostrava um acidente de trânsito que envolvia um veículo de passeio, creio que um FOX, que colidiu com uma ambulância do SAMU, que estava saindo do Hospital Municipal de Imperatriz - HMI, o popular "SOCORRÃO", a condutora do veículo de passeio se identificou como estudante de direito e disse que não queria que seu rosto e placa do se veículo não fossem mostrados na TV, e disse que caso isso ocorresse o apresentador/programa teriam que pagar.
Com uma postura irônica o apresentador disse: "pagar o quê, o conserto do carro"...em tom irônico e posteriormente de forma pejorativa ordenou ao câmera-man que mostrasse a "estudante de direito".
O rosto da jovem e a placa do veículo particular foi exibido no programa.
Sinceramente espero que ela cumpra com sua promessa e processe o apresentador por expô-la desta forma, pois eu mesmo já o vi poupar a imagem de diversos "marginais" em seu programa, mas de forma irônica e pejorativa expôs uma cidadâ desta forma.

O site do STJ fala sobre o direito de imagem:
Direito à imagem: um direito essencial à pessoa(STJ):
"Vertente do chamado Direito da Personalidade, o direito à imagem é uma prerrogativa tão importante que é tratada na Constituição Federal, no seu artigo 5º, inciso X, que assegura inviolabilidade à honra e imagem, dentre outros atributos, e prevê o direito de indenização para a violação..."

LEIA MAIS SOBRE DIRETO DE IMAGEM NO SITE DO STJ.GOV.BR (AQUI)

Gostaria de saber onde está a notória humildade típica dos apresentadores de programas populares que, não só este apresentador, mas todos tinham antes de conseguirem se eleger a cargos públicos e que alguns continuam mantendo, embora ainda não tenham sido eleitos, mas que nitidamente almejam tal façanha também.
Será que essa é a estratégia, posar de moço(a) humilde e amigo do poço pra conquistar seu valiosos votos e depois "trabalhar" para se manter no poder???
Será que o poder sobe alucina mentes pouco preparadas???

OUÇA O QUE ESPECIALISTAS EM DIREITO DE IMAGEM FALAM...

domingo, 25 de setembro de 2011

IMPOSSÍVEL SE TER INVEJA DE COISAS RUINS, DO MAL SE QUER DISTÂNCIA...

O  BlogSoFaloaVerdade (veja), postou a seguinte nota em relação à "homenagem" às avessas, mas muito merecida, que Dinho Ouro Preto, vocalista do Capital Inicial, fez a Sarney no Rock in Rio ontem (VEJA AQUI):

"Os sulistas tem inveja de não terem uma figura tão emblemática como a de José Sarney, O MAIOR politico da história deste país, o fato de não ter feito o que seu povo merecia, não nos obriga a deixar de enaltecer-mos suas qualidades."


BlogMarceloLira discorda e não ver motivos para que se tenha, em sã consciência, inveja de más ações praticadas contra a um povo ou contra todo um estado, e rebate utilizando-se do seu direito democrático de discordar:


1 - Até concordo que Sarney é o maior político vivo no Brasil, mas ele é a personificação de todo o aspecto negativo e nefasto que a má política e que os maus políticos representam.

2 - Do DicionarioWeb (veja):
INVEJA (IN-VE-JA): s.f. Sentimento de cobiça à vista da felicidade, da superioridade de outrem: ter inveja de alguém. 

Portanto só se tem inveja do que é bom, não há como cobiçar pra si algo de ruim!!!

3 - O fato de não ter feito NADA pelo seu estado, como o SóFaloaVerdade mesmo fala, já é motivo mais do que suficiente para que ele seja o político menos querido do país, pois o desastroso período em que esteve presidente, proporcionou ao país inteiro o desprazer de tê-lo como governante.

4 - Graças a Deus ele não fez um substituto a sua altura, e com o avançar da sua idade, creio que haverá a desestruturação de sua quadr... (OPS!!!) clã, que até hoje pede socorro a ele quando as coisas ficam difíceis (lembram da reunião em São Luis em que ele convocou todos os apoiadores para "possibilitar" a vitória de sua "menina" em 2010?).

Continuarei sendo assíduo leitor deste conceituado blog (SFV), mas está sua súbita defesa do o Brasil todo sabe que é indefensável, fez com que ele caísse um pouco no meu conceito.

DEUS, SARNEY E OS MARANHENSES
Por John Cutrim
Quando Deus fez o Brasil, decidiu dar a cada povo dois predicados, para que assim prosperassem. E, assim, disse para um arcanjo anotar em um caderno:

Os Mineiros = ordeiros e respeitadores da lei;
Os Gaúchos = tenazes e audaciosos;
Os Paulistas = trabalhadores e pacientes;
Os Pernambucanos = revolucionários e cordiais;
Os Maranhenses = inteligentes, honestos e votantes do clã Sarney.

Quando terminou de fazer o Brasil, o arcanjo o chamou e disse:

“Senhor Onipotente, o Senhor deu a todos os povos dois predicados, mas aos maranhenses o Senhor deu três: inteligência, honestidade e votantes dos Sarney. Isto fará com que eles prevaleçam sobre os outros povos do BRASIL”, alertou o arcanjo.

“Tens razão, precisamos remediar essa situação: De agora em diante, os maranhenses conservarão estes três predicados, mas, a fim de que não prejudiquem os outros povos… só poderão usar dois de cada vez”, ordenou o Senhor.

Desde então, é por essa razão que:

1- O MARANHENSE que vota nos SARNEYS e é HONESTO,
não pode ser INTELIGENTE;

2- Aquele que é INTELIGENTE e vota nos SARNEYS, não
pode ser HONESTO;

3- E aquele que é HONESTO e INTELIGENTE… não poderá
nunca votar no CLÃ SARNEY.

sábado, 24 de setembro de 2011

"QUE PAÍS É ESSE???" É A PORRA DO BRASIL DO SARNEY...


Na noite de sábado às 22:45h, Dinho Ouro Preto, vocalista da banda Capital Inicial, no Palco Mundo do Rock in Rio (transmitido ao vivo pelo canal MULTISHOW, não deu pra cortar...) fez duras críticas aos políticos brasileiros, às oligarquias que apodrecem a política nacional e atrasam o país, e cita o caso da censura ao Jornal o Estado de São Paulo.

E pra finalizar ele dedica a música "QUE PAÍS É ESSE???" especialmente para SARNEY...
E quando ele cantava o refrão "QUE PAÍS É ESSE???" a galera respondia: "É A PORRA DO BRASIL..."


Que País É Esse?

Legião Urbana 

(1987)

Nas favelas, no Senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
No Amazonas, no Araguaia iá, iá,
Na baixada fluminense
Mato grosso, Minas Gerais e no
Nordeste tudo em paz
Na morte o meu descanso, mas o
Sangue anda solto
Manchando os papeis e documentos fieis
Ao descanso do patrão
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Terceiro mundo, se foi
Piada no exterior
Mas o Brasil vai fica rico
Vamos faturar um milhão
Quando vendermos todas as almas
Dos nossos indios num leilão
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?


AS APARÊNCIAS ENGANAM (E MUITO)...

Polícia impede sequestro de empresário em Imperatriz
André e Darlene, as aparências enganam (Foto: João Rodrigues / Imirante.com)
Até ontem a noite , se me perguntassem a respeito de Darlene Glória Cacalcanti, diria que foi uma jovem que foi minha colega de faculdade por alguns semestres e que por algum motivo ela não concluiu o curso, mas que em suma, embora não a tenha conhecido direito, parecia ser uma boa pessoa, no mínimo, inofensiva.
Da mesma forma, se até ontem a noite me perguntassem a respeito de André Luís Maciel, diria que foi um colega de trabalho em uma distribuidora de Imperatriz (2007), e que depois trabalhou para uma locadora de veículos da cidade um cara muito gente boa, com um forte sotaque mineiro, e que eu não teria receio em dar boas referências a quer que me pedisse.
Mas ontem a noite, para meu espanto, vejo ambos ilustrando a matéria jornalística que os aponta como "cérebros" de um possível sequestro, a um empresário da cidade, que foi frustrado por uma operação do serviço de inteligência da polícia civil do Maranhão, que os aponta, inclusiva, como participantes de outras ações criminosas na região.
Fiquei surpreso, como as aparências enganam e como nos deixamos levar por ela...

MAIS DETALHES: http://imirante.globo.com/noticias/2011/09/23/pagina285973.shtml

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

O PECADO DA SINCERIDADE E O SEPARATISMO (DA MISÉRIA) MARANHENSE....


O episódio em que um "nada nobre" deputado a respeito de Imperatriz, em nada me surpreende, pois o que aconteceu com o referido deputado foi a penas um lapso que fez com que o mesmo esquecesse da clássica falsidade característica dos políticos da capital, que só lembram do interior do estado para pedir votos.
Inclusive, creio que este é o sentimento geral do executivo e do legislativo estadual e federal, alguns chegam ao ponto de não gostar de São Luis, Pedro Novais há anos mora no Rio. Meses antes das eleições corjas inteiras chegam a Imperatriz para conseguir votos, todos eles compartilhando o mesmo sentimento do infeliz deputado que pecou por ser sincero.
Mas o que me surpreendeu foi ao ler no Blog do Cleto Louza (VEJA AQUI) diversos depoimentos que não só apoiam Bacelar, mas colocam Imperatriz como vilã e culpada pela precariedade das cidades da baixada maranhense e região dos cocais.
Que culpa tem Imperatriz da miséria do povo maranhense, pois se realmente todos os investimentos destinados ao desenvolvimento do interior do estado fossem destinados a Imperatriz, a terrinha do Frei Manoel Procópio seria uma "Suiça" cercada de miséria por todos os lados.
E já que a Princesa do Tocantins tem tão poucos admiradores na região centro-norte do estado, por que não nos dão logo a "alforria" para criarmos o Maranhão do Sul para que possamos desenvolver nossas potencialidades???

....................................................................................................................................

O TEXTO ABAIXO FOI POSTADO NESTE BLOG EM 27/07/2011 (VEJA AQUI) E MOSTRA A MISÉRIA MARANHENSE EM NÚMEROS, DE QUEM SERÁ A CULPA NA VERDADE???

Apesar de ter tirado cerca de 600 mil pessoas da pobreza extrema na última década, o Maranhão ainda é o Estado que tem maior parcela da população vivendo com até R$ 70 mensais. É 1,7 milhão, de acordo com o último Censo, o que representa 25% dos 6,5 milhões de maranhenses. 
A pobreza é evidenciada pela infraestrutura deficiente. O esgotamento sanitário, por exemplo, cobre só 12% dos domicílios e a coleta de lixo alcança só 25% deles. 
Dados de 2009 do IBGE mostram que 45% dos trabalhadores maranhenses são informais ou não têm a carteira de trabalho assinada. 
A pobreza também é uma herança histórica: existem 527 comunidades remanescentes de quilombos no Maranhão, totalizando 1,3 milhão de pessoas, e 35 mil indígenas. Os quilombolas ainda lutam pela posse de seus territórios, mas é um processo demorado no Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). 
O agronegócio já ocupa quase o dobro do espaço da agricultura familiar: 8,4 milhões de hectares contra 4,5 milhões de hectares, respectivamente, de acordo com o Censo Agropecuário do IBGE (2006). No entanto, a agricultura familiar é a fonte de renda de 850 mil pessoas, enquanto o agronegócio emprega apenas 133 mil. 
Tampouco a indústria é intensiva em mão de obra: são 332 mil empregados, de acordo com a Federação das Indústrias do Maranhão. 
O resultado desse cenário todo é que, dos 20 municípios com menor renda média do Brasil, 14 são maranhenses. No Estado, o rendimento médio mensal domiciliar, por pessoa, é de R$ 404,99, o menor do Brasil. AGUIRRE TALENTO (FOLHA)

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

NOTÍCIA BOA: QUASE 170 MIL NOVAS VAGAS EM CONCURSOS PÚBLICOS FEDERAIS PARA 2012...


O cenário do mundo dos concursos para os próximos anos começa a se desenhar. São esperados 169,1 mil cargos e funções que serão criados e preenchidos pela União ao longo de 2012, segundo a proposta de lei orçamentária enviada ao Congresso Nacional. O volume de oportunidades é uma injeção de ânimo a quem está se preparando para trabalhar no governo, especialmente depois que o Ministério do Planejamento anunciou corte nas seleções e nomeações em fevereiro.



Pela proposta orçamentária, o maior número de cargos a serem criados se destina ao Poder Executivo: 136,7 mil. Outros 3,6 mil vão para o Judiciário, 576 para o Ministério Público da União e 72 para o Legislativo. Os concursos a serem abertos devem preencher quase metade desse quadro, podendo chegar a quase 60 mil vagas, conforme as necessidades de contratação dos diversos órgãos e entidades públicos.

O diretor-presidente do Gran Cursos, José Wilson Granjeiro, avalia positivamente as perspectivas de concursos em 2012. “Depois do susto que o governo deu no início do ano ao suspender concursos e contratações, esses dados representam a injeção de ânimo para quem pretende começar a estudar”, comenta.

Segundo o professor, que é especialista em direito administrativo, os números representam um crescimento de 457% em relação às vagas criadas para 2011, quando a previsão orçamentária cobria apenas 25,3 mil cargos. E também superam os de 2010, quando este volume foi de 76,1 mil cargos e funções.

As contratações também serão bastante significativas no próximo ano. O Ministério do Planejamento admitiu, recentemente, que 40% dos servidores federais terão condições de se aposentar nos próximos quatro anos. Isso significa que cerca de 400 mil profissionais precisarão repor os quadros do Executivo, Judiciário, Legislativo e Ministério Público.

Também justificam a boa leva de oportunidades o reforço que está sendo dado aos Institutos Federais de Ensino, os programas de investimento social do governo, como o PAC e o Minha Casa, Minha Vida, além dos grandes eventos como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas, dois anos depois. Granjeiro avalia que será inevitável repor a força de trabalho. “A população cresceu, o Estado se estruturou e a seleção de servidores está cada vez mais moralizada. Se não houver uma reposição, pode existir um colapso total no sistema público”.

De acordo com um levantamento feito pelo Instituto de Pesquisas e de Economia Aplicada (Ipea) sobre a ocupação do serviço público, hoje o número de servidores está no mesmo patamar de 1990, quando a população brasileira era de 147,4 milhões de habitantes. “Faltam servidores. A população cresceu quase 30% em 20 anos e a quantidade de profissionais ainda está abaixo do necessário”, avalia o professor.

Especialistas estimam que haja 11 milhões de brasileiros se preparando para concursos. Eles são os maiores interessados em saber como o governo planeja ocupar as vacâncias do setor público.



FONTE: Blog Oficial do Concurseiro By Jornal da Comunidade.

sábado, 17 de setembro de 2011

LINHA CHILENA, NOVA AMEAÇA AOS MOTOQUEIROS, CORTA 4 VEZES MAIS QUE O CEROL...


Linha chilena, a novidade ruim que deixou cerol (que matou e feriu seriamente diversas pessoas, principalmente motoqueiros) obsoleto, trouxe mais perigo às ruas – O Rio de Janeiro tem mais de 40 mil amantes da arte de soltar pipa, e acaba de surgir uma nova estratégia para a perigosa diversão.
Alguns homens acima dos 30 anos de idade, estão deixando o uso do tradicional cerol à base de cola de madeira com vidro e aderindo ao uso da “linha chilena”.
LINHA CHILENA a venda no subúrbio carioca.
A técnica é composta por quartzo moído e óxido de alumínio, e esta preocupando as autoridades, por ser mais um objeto de grande perigo principalmente aos Motoqueiros.
“linha chilena” está sendo importado sem dificuldade alguma, adeptos à nova estratégia usam a internet para comprar o produto que pode cortar até quatro vezes mais do que a linha nacional.
Custando em média de R$8 a R$125 em algumas lojas do subúrbio do Rio.

NOTA DO BLOG: GESTORES INTELIGENTES SE ANTECIPAM CRISES, SE ESTA LINHA CHILENA JÁ CHEGOU AO RIO DE JANEIRO, NÃO DEVE DEMORAR MUITO PRA CHEGAR A IMPERATRIZ. PORTANTO, "AUTORIDADES", PREVINAM TRAGÉDIAS COM UMA PROVÁVEL CHEGADA DESSE TERRÍVEL PRODUTO ÀS MÃOS DAS CRIANÇAS DO MARANHÃO...

FONTE: 


CASSAÇÃO DE ROSEANA: TSE CHAMA LOBÃO PARA PRESTAR DEPOIMENTO...


Segundo o processo, a governadora reeleita teria celebrado 79 convênios com prefeitura do interior do estado na intenção de buscar apoio para a eleição. Os contratos, que totalizaram R$ 400 milhões, supostamente teriam como características “desvio de finalidade, violação ao princípio da moralidade e ilegalidades, às vésperas do período eleitoral”.
A governadora Roseana Sarney também é acusada de transferir verbas do Fundo Estadual de Saúde aos fundos municipais de saúde e prefeituras governadas por “aliados ou neo-aliados”. O processo está na fase de produção de provas e oitiva de testemunhas.
Roseana e o vice são acusados de compra de voto, abuso do poder dos meios de comunicações e uso direto e indireto da estrutura da administração pública em vários locais, como escolas e ambulâncias. As denúncias foram feitas pelo deputado estadual José Maria da Silva Fontinele (PRTB-MA) e pelo ex-governador do Maranhão José Reinaldo Tavares (PSB).

O TSE vai analisar também se Roseana estaria inelegível por ter tomado posse em abril de 2009 – após a cassação do ex-governador Jackson Lago – sem se afastar para a reeleição.
O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB), foi chamado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para depor no próximo dia 21 de setembro no processo de cassação da governadora do Maranhão, Roseana Sarney, e de seu vice, Washington Oliveira (PT). O pedido foi feito pela defesa de Roseana, e a presença de Lobão não é obrigatória.


DÉBORA SANTOS, DO G1, EM BRASÍLIA

NOTA DO BLOG:
 
PRÁTICAS COMO AS CITADAS FAZEM PARTE DO ARSENAL ESTRATÉGICO POLÍTICO-ELEITORAL MARANHENSE. JACKSON LAGO FOI CASSADO PELAS MESMAS ACUSAÇÕES. RESTA SABER COMO A "BALANÇA" DA JUSTIÇA VAI SE PORTAR QUANDO EM UM DOS "PRATOS" TEM UM SARNEY!!!!

domingo, 11 de setembro de 2011

A PROSTITUIÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL, NEM SÓ DE CORRUPÇÃO VIVEM OS NOBRES PARLAMENTARES...

Sete histórias mostram como é a prostituição no CONGRESSO NACIONAL.  Sexo, beleza e poder. E como não poderia deixar de ser, casos que envolvem dinheiro e empregos públicos (ilustração: Cícero Lopes)...
Texto de Rafania Almeida.


Políticos gostam de holofotes, de aparecer. Nem sempre. Também atuam por trás das cortinas, no escuro, debaixo dos lençóis. Em casas noturnas, flats, apartamentos funcionais e até no local de trabalho. Pagando por isso, claro. Como fazem homens em geral, independentemente da atividade profissional, dirão. E especialmente quando têm dinheiro e poder. Por que deputados e senadores seriam diferentes?
O problema é que o negócio da prostituição corre solto nos prédios do Congresso Nacional. Em corredores, gabinetes e às vezes no plenário, garotas insinuantes se oferecem, são agenciadas por cafetões de terno e gravata e cortejadas aberta ou discretamente por algumas de Suas Excelências. Não há liturgia do poder que resista.
O mais grave é que algumas são pagas com o dinheiro público, contratadas por parlamentares para “trabalhar” em seus gabinetes. Mas nos gabinetes não trabalham, naturalmente. Passam todos os dias pelo Congresso só para bater o ponto e receber horas extras. As tarefas que executam são fora do expediente.
REVISTA MEIAUM passou três semanas no Congresso conversando e observando. Garotas de programa só para VIPs abriram suas “caixas de pandora” e revelaram como trabalham. Contaram preferências de políticos que conheceram nos dias de sessões e nas noites de prazer. Agenciadores também falaram sobre suas atividades e tentaram recrutar a repórter.
Jovens que acabaram de chegar à maioridade têm rendimento mensal de dar inveja a marajás. Algumas garotas são bilíngues, moram em bairros nobres, têm o corpo aperfeiçoado por dispendiosas cirurgias estéticas e roupas de grife, geralmente presentes de clientes. “Se os políticos fizerem greve, as putas de Brasília quebram as pernas”, afirma uma delas.
I Evangélico e solteira procura
Cabelos negros, compridos e olhos marcados pela maquiagem exagerada. A beleza não é de chamar a atenção. Por isso ela usa as roupas justas, muito apertadas na região da paixão nacional, em cores fortes. Quase todos têm histórias dela para contar.
Seu trabalho é coletar assinaturas de deputados em projetos de lei. Há muitas meninas fazendo isso nos corredores da Câmara. Ela faz há dez anos, mas não se limita às assinaturas. Não faz cerimônia. Chama muitos parlamentares pelo primeiro nome, com intimidade.
Distancia-se para conversar com um deputado, a jornalista espera. Volta e é clara: “Você precisa ser simpática. Sorria. O deputado gostou de você. Vou arrumar uma ‘matéria’ com ele para você”.
Ela estava se recusando a dar entrevista e não queria falar nem quanto ganha (“menos de R$ 3 mil”, cedeu). Só aceitou conversar quando o deputado lhe perguntou quem era a moça com quem falava. “Ele mandou dizer que é da bancada evangélica e é solteiro”, cochichou. “Não seja boba! Ele te traz pra cá, para o gabinete dele.” Quando o deputado evangélico e solteiro volta, faz questão de apresentá-lo. Ressalta os olhos claros do homem de 46 anos, 20 a mais que a jornalista, e seu alto poder aquisitivo. Salienta que era ela a responsável pela apresentação, enquanto ele conferia o “produto”.
Ele foi embora e ela repetia que mandaria a jornalista ao gabinete dele, garantindo que poderia “contar” com ela. Foi quando se sentiu à vontade para revelar que um deputado pagou sua faculdade de Direito, mas ela desistiu na metade. “Fazer Direito para quê? Ficar enfiada em uma salinha? Eu amo colher assinaturas. Amo os parlamentares. Quero fazer isso pelo resto da minha vida.” E contou que comprou um apartamento de R$ 200 mil no Guará, valor que não cabe nos R$ 3 mil que diz receber.
Um homem observou a movimentação e aproximou-se: “Ela ganha muito mais por fora. Já saiu com deputados. Mas está mais para agenciadora do que agenciada. Se quiser, te consigo uma vaga aqui e você vai parar rapidinho em um gabinete”. Fez a mesma recomendação que a moça da roupa de cores fortes. “É só ser mais simpática e fazer o que pedem. Pode ser amante, mas não precisa ser fixa.”
Um bom desempenho poderia render à jornalista até R$ 10 mil por mês, segundo o rapaz.
II O charme das assinaturas
Belas e ousadas. Esse é o perfil das garotas das assinaturas da Câmara. O objetivo é conseguir pelo menos 171 assinaturas para um projeto. Em meio às garotas é possível encontrar poucos homens, e há duas ou três senhoras que já estão lá há anos na função. Poucas meninas não chamam a atenção pela aparência. Nem todas vão além do recolhimento de assinaturas, mas não são poucas as que buscam mais do que isso.
Uma delas, de pernas grossas e quadril abundante, se destaca pelo tamanho do vestido. A jaqueta jeans esconde um pouco, mas nada desmerece as curvas da pequena moça em cima de seu salto 15 cm. Alguns disfarçam, enquanto outros quase quebram o pescoço para conferir o corpo dessa e o de outras meninas. Há parlamentares que nem assinam, mas fazem questão de dar uma paradinha para cumprimentá-las. A simpatia é mesmo arma de trabalho, às vezes exacerbada.
As moças não trabalham todos os dias, apenas em dias de sessão, de terça a quinta-feira. É no banheiro do corredor das lideranças que abrem o bico sobre suas aventuras políticas. “Aquele velho me levou para a tal festinha, como é pegajoso!”, revela uma delas, aos risos. Outra dá dicas para aguentar, pois os “presentes valem a pena”. Contam detalhes sórdidos sobre as atitudes de Suas Excelências, mas sem deixar escapar demais e se queimar no meio. Outra admite: “Eu adoro as festinhas. Vou a todas”.
O colega, homem, em desvantagem na corrida pelas assinaturas, aproveita a ausência das meninas para revelar segredos: “Aquela ali mesmo era ninguém aqui. Andava de jeans e camiseta. Hoje posa em cima do salto e vestidinho brilhante, contratada pelo gabinete de um deputado”. Diz que já viu meninas que ganhavam R$ 3 mil sem nenhum contrato com a Casa receberem bônus de até R$ 15 mil. “Deputado não mede esforços para conseguir o que quer, se é que você me entende”, conta o rapaz. “Você não tem vontade de colher assinaturas também? Tem gente aqui que ia gostar de você”, pergunta, no intuito de também ganhar um por fora.
III O ponto das mexericas
São 19 horas de terça-feira. O movimento nos Anexos II e IV da Câmara aumenta consideravelmente. É hora de bater o ponto. Pessoas chegam com filhos vindos da escola, vestindo moletom ou roupa de academia, para não perder as horas extras. As meninas se destacam. Há as que chegam de chinelo, correndo para não perder o horário, outras com os cabelos molhados, roupa justa. Entram e não demoram cinco minutos para se afastar. Têm de ser discretas. As mais espertas entram pela parte de trás do Anexo IV e pegam carona na parte da frente. Assim, fica mais difícil desconfiarem da maracutaia.
No dia seguinte, a jovem dos cabelos molhados chega religiosamente no mesmo horário. Dessa vez um pouco mais calma. Entra, volta poucos minutos depois e fica sentada no fundo do prédio. Acende um cigarro, lancha, conversa com um comerciante que fica por ali. Em dia de sessão extra, é preciso ficar pelo menos até as 20h30 para ganhar um adicional no fim do mês.
Os motoristas das autoridades as apelidaram de mexericas. Recebem uma grana, têm crachá, batem ponto e estão na lista de funcionários, mas trabalho que é bom, nada. A não ser que prestem serviço fora da Casa. “No Anexo IV é mais fácil burlar, no II o serviço é técnico e tem gente de olho”, diz um funcionário há 15 anos lá.
Um homem apontado como agenciador de garotas aperta os olhos e reduz o volume da voz para falar: “Cada deputado tem R$ 60 mil para fazer nomeações. Pode chamar quem quiser, inclusive as amantes. Sai mais barato pagar uma garota pra não vir trabalhar do que ter gasto dobrado, não é?” Para ele, bobos são os que se satisfazem com R$ 1 mil mais transporte e alimentação para virarem laranjas. “Elas, não. Ganham muito bem, têm status de funcionárias da Casa e nem ficam aqui. Podem trabalhar por fora.” E finaliza: “Tá interessada?”
IV Esforço que compensa
As duas moças têm beleza e grande poder de sedução. Fazem sucesso no Congresso. A mais famosa é uma loira que já ganhou de jantares românticos nos restaurantes mais caros da cidade a propostas de programa com direito a voo de jatinho. Contratada pela Câmara, desfila pelos corredores com sua beleza estonteante, que deixa até outras mulheres babando. É concorrente forte.
Apaixonados sem cacife para passar uma noite com a moça dizem que ela já foi mais humilde. “Cobrava R$ 700, mas, depois de desfilar com o mais cotado dos parlamentares e o maior fã de garotas de programa, já pede R$ 1.200 por uma noite.” Apesar de trabalhar para outras pessoas, escolheu seu preferido e costuma passear com ele pelos corredores da Câmara. Ela é o biótipo de que ele gosta, por isso tem o privilégio de ser a garota eleita. “Ela é tão encantadora que tem homem sofrendo de amor, pagando presentes caríssimos para conquistá-la, mas ela prefere o dinheiro e só satisfaz aqueles dispostos a pagar-lhe”, revolta-se um admirador.
A outra não mediu esforços para fazer contatos no Congresso e conseguir uma carteira de clientes de respeito e contas bancárias milionárias. A espertinha conseguiu crachá falso que lhe dava acesso ao plenário, onde podia fazer, literalmente, o corpo a corpo com os deputados. Certa vez, armou uma confusão e foi barrada pelos seguranças, que descobriram a falcatrua do crachá.
E quem disse que isso a impediu de conquistar seu objetivo? Já havia tido o tempo necessário de fazer “amizade” com parlamentares e garantir um lugar ao lado deles no elevador de autoridades, onde não importa o crachá, mas o poder do deputado ou do senador. Segurança algum ousa levantar a voz para ela. Fez, aconteceu e conseguiu uma vaga no Senado. Trabalhava no cerimonial, mas foi demitida pelos sucessivos barracos que aprontava. Foi indicada para trabalhar na Procuradoria-Geral da República, onde passava apenas para deixar a bolsa e voltar ao Congresso para dar duro. Bastaram os três meses de experiência para ser demitida e voltar ao Senado, no emprego em que está até hoje.
E ainda aproveita para fazer propaganda do negócio que mantém fora, com serviços que custam R$ 1.200 por noite.
V A calcinha vermelha
A noite brasiliense é um paraíso para as aventuras de políticos. Os lugares favoritos são a casa de shows Pathernon, no Setor de Indústrias Gráficas, e a boate do Hotel Bonaparte, na Asa Sul. Abrigam as jovens mais bonitas e mais caras e os ambientes mais discretos. Seguranças, motoristas e assessores figuram como amigos, para que ninguém desconfie de nada. Elas comem e bebem do bom e do melhor por conta de Suas Excelências.
“Sempre me alimento melhor quando o cliente é político. Eles querem mostrar que podem e nisso não economizam.” Miriam é encantada por eles. Na cama da menina de 18 anos, eles se transformam em pessoas carinhosas, preocupadas, atenciosas: “Está com frio? Eu cuido de você”. Se é governador então, melhor ainda, ela diz. Ela não se esquece do prefeito mineiro que atendeu durante uma das marchas dos prefeitos. “Ele continua me ligando, mesmo não estando aqui.”
Diz que o dinheiro dos políticos garantirá a ela, em breve, um apartamento no Sudoeste. Por hora, preocupa-se apenas em se manter bonita e pagar o aluguel de R$ 2 mil do flat no bairro nobre. Em julho, nas férias, aceita fazer programa com pessoas de menor poder aquisitivo. Cobra R$ 400 a hora, dependendo do tipo de trabalho. “É apenas para manter o meu padrão de vida, mas eu gosto mesmo é quando o Congresso está funcionando. Ganho muito mais.”
Sem os políticos, diz, “as putas da cidade quebram as pernas”. Foi com um deputado nordestino que teve uma de suas noites mais inusitadas. Achou que a calcinha vermelha rendada que ele tirou do bolso do paletó era presente para ela. Ainda agradecia quando o deputado deixou-a boquiaberta: ele se despiu e vestiu a lingerie. “Ele desfilava pelo quarto como uma lady. Andava na ponta dos pés, sorria, parecia uma miss.”
Enquanto ela sorria discretamente e o elogiava, descobriu que seu papel naquela madrugada não seria o da menina inocente e sedutora, mas o do homem da relação. Depois disso, nunca mais o viu.
VI A gaveta das notas de R$ 100
Mesmo recebendo R$ 26 mil por mês, fora verbas indenizatórias, há parlamentares que pechincham muito ao negociar com as garotas de programa da cidade.
Viviane, loira de seios naturalmente fartos, não aceitou barganhar com dois deles, que pediram que ela e a amiga baixassem o preço do programa no apartamento funcional. “Nunca faria isso. Deveriam é pagar melhor. Eles roubam dinheiro do povo, incluindo o meu, e não perderia a oportunidade de tirar uma boa verba deles.” Viviane os conheceu em um famoso restaurante da Asa Sul. A sofisticação dela chamou a atenção dos dois parlamentares. Ela bebia um uísque Jack Daniel’s quando foi abordada. Disse que sairia com as duas excelências se eles estivessem dispostos a pagar. Eles aceitaram, mas só reclamaram do preço no encerramento dos trabalhos.
A loira prefere sair com altos funcionários do governo. Foi com eles que conheceu uma mansão no Lago Sul, com piso de mármore Carrara e um quarto com uma gaveta de mais de um metro de comprimento, de onde um dos clientes tirava notas e mais notas de R$ 100 para impressioná-la. O grande trunfo da jovem de 24 anos, que chega a ganhar R$ 30 mil por mês, é um lobista famoso. “Ele tira bolos de dinheiro do bolso para pagar tudo”, conta. Já o viu gastar R$ 2 mil em um jantar para quatro pessoas em um restaurante.
Viviane ainda não está satisfeita. Quer o contato de uma mulher que promove festas no Lago Sul para políticos, com a presença de mulheres famosas e capas de revista, cujos programas saem por, no mínimo R$ 13 mil. “E ainda quero desfilar no Congresso para incrementar minha renda.”
VII 19 anos, R$ 25 mil na bolsa
Morena, 1,63 metro, 55 kg, cabelos negros, 400 ml de silicone em cada seio, 19 anos. É no Pathernon que Rayka mostra o corpo e o talento para atrair homens. “O segredo é não se atirar. Quem tem dinheiro gosta de seduzir.” Enquanto as colegas partem para cima dos engravatados, ela joga o charme de longe.
É quando prefeitos, clientes assíduos da casa quando estão na cidade, não economizam para conseguir uma noite com ela. Cinco meses atrás, morava em Goiânia e ganhava pouco. Hoje tira R$ 25 mil por mês, fora presentes, como R$ 4 mil em roupas em um shopping caro da cidade. Tudo graças aos clientes financeiramente favorecidos, como empresários e parlamentares, além dos “queridos prefeitos” que pagam até R$ 3 mil para uma noite com a moça. “Sou a mulher que eles querem que eu seja. Executiva, moleca, devassa. Eles me pagam para isso.” Já fez papel de namorada, de sobrinha. Para isso, estuda espanhol e inglês. Precisa estar sempre disposta, social e apresentável para não levantar suspeitas. Goianos e gaúchos são os mais seduzidos pelos encantos de Rayka. “Também são os mais exigentes”, assegura. Na hora da fantasia, vale tudo, com pagamento sempre em dinheiro, não importa o valor.
Programa bom é programa ilegal
Garotas de programa circulam abertamente pelo Congresso, mas deputados e senadores não querem reconhecer a profissão que elas exercem. Em 2003, o então deputado Fernando Gabeira, do Partido Verde, apresentou proposta de regulamentação da profissão, com base em reivindicações de organizações da categoria. Ouviu mulheres que já haviam abandonado o sexo como trabalho e outras que ainda sobreviviam disso.
Mas de nada adiantaram os depoimentos dramáticos de mulheres que sofrem nas mãos de cafetões. Em 2007, o relator na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), ACM Neto (DEM-BA), deu parecer contrário e a proposta foi derrotada.
Gabeira afirma que ACM Neto tem uma visão equivocada do projeto, achando que aprová-lo seria uma afronta à família. “Essas mulheres usam o corpo para sustentar suas famílias”, diz. O ex-deputado pega no ponto: “É um problema de consciência e contradição no discurso”.
O projeto de Gabeira previa fiscalização profissional e, com isso, o risco ao já ilegal emprego de agenciadores, que fazem a intermediação entre os parlamentares e as garotas de programa. Gabeira diz que um grupo de deputados tenta ressuscitar o projeto e colocá-lo em tramitação. As organizações não governamentais envolvidas no assunto tentam fazer um movimento em prol do projeto, mas não há nenhuma garantia de que seguirá adiante.
Já o deputado João Campos (PSDB-GO) pretende acabar com a prostituição. Apresentou um projeto de lei que criminaliza o pagamento por serviços sexuais. Outras propostas parecidas já foram apresentadas e arquivadas, como a do então deputado Elimar Máximo Damasceno, eleito pelo extinto Prona em São Paulo.
Nem regulamentação, nem criminalização. Para muitos parlamentares é mais conveniente deixar tudo do jeito que está.

FONTE: REVISTA MEIAUM < SITE >

Texto Rafania Almeida  rafania@meiaum.com.br
Ilustração Cícero Lopes cicero.arte@gmail.com

PENSO, LOGO EXISTO (René Descartes)...

PENSO, LOGO EXISTO (René Descartes)...

Seguem esse blog: