Blog do Marcelo Lira

Blog do Marcelo Lira
Apenas minha OPINIÃO, todos tem o DIREITO de discordar dela, mas todos tem o DEVER de respeitá-la...

terça-feira, 30 de novembro de 2010

CENSO 2010 - POPULAÇÃO MARANHENSE - DISCORDO DE ALGUNS RESULTADOS...

Ontem foi divulgado no portal imirante o resultado do Censo 2010 no Maranhão, os resultados, ao meu ver, não retratam a realidade de algumas cidades maranhenses.
Através do empirismo da minha observação, localizei divergências entre os resultados e a realidade constatadas através das minhas andanças pelo sul do nosso estado.
Cidades que estão passando por um notório êxodo de moradores em função da dependência econômica em atividades extrativistas (vegetais e minerais), apresentaram crescimento populacional. E cidades com notório crescimento econômico e populacional impulsionados por investimentos públicos e privados como Imperatriz, onde notoriamente está acontecendo um fenômeno de chegada de migrantes atraídos pelo desenvolvimento e consequente abertura de novos postos de emprego, apresentaram crescimento populacional ínfimo, muito abaixo do esperado, de 230.566 hab. em 2000 pra 247.553 hab. em 2010, quando muitos (inclusive eu) esperavam números bem mais próximos de 300.000 habitantes.
No link < http://imirante.globo.com/noticias/2010/11/29/pagina260584.shtml > é possível ver a matéria do portal imirante e ter acesso ao arquivo oficial em PDF com os resultados apurados de todas as cidades maranhenses. Tirem suas conclusões, comentem e/ou respondam a enquete ao lado.


domingo, 28 de novembro de 2010

SEM DEMAGOGIA, A OCUPAÇÃO MILITAR ERA, É, E CONTINUARÁ SENDO NECESSÁRIA...


A operação militar nas favelas do Rio são um show de horrores que envergonham o Brasil, mas deixemos de lado toda a DEMAGOGIA e reconheçamos que não havia outra atitude pra se tomar e esta por sua vez demorou muito para ser executada.
A situação ficou insustentável, marginais tiveram a petulância de desafiar o Estado.
Sugiro que os críticos da ação militar se libertem de suas teorias utópicas e proponham soluções reais e viáveis a curto, médio e longo prazo para um problema que resultou em uma guerra civil, sim porque o que estava acontecendo era uma guerra.
Mas não adianta também pensar que agora tudo vai se transformar em um paraíso e a cidade maravilhosa vai realmente fazer jus ao título, a ocupação foi, é, e continuará sendo uma solução paliativa ao problema da criminalidade gerada pelo tráfico de drogas. a solução real e definitiva só será alcançada com investimentos governamentais em EDUCAÇÃO, SAÚDE e EMPREGO para a grande massa de moradores honestos dessas comunidades carentes.
Creio que a ocupação militar deve continuar simultâneamente á implantação de projetos de desenvolvimento sócio-econômico das áreas afetadas, que melhorem as condições de vida dos moradores.
"Não se faz omelete sem que se tenha que quebrar ovos"...
A ocupação era necessária, pois a bandidagem não entende outra linguagem além da linguagem da força e do barulho do disparo do fuzil.
Parabéns às forças armadas que possibilitaram o sucesso dessa brilhante ação, que embora não seja definitiva, foi eficaz no que se propôs a fazer, deste ponto em diante, outros especialistas deverão buscar a mesma eficácia no desenvolvimento de ações sociais que modifiquem definitivamente a rotina dessas favelas que outrora eram dominadas pelo tráfico de drogas, para que ele não possa voltar...

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

GUERRA URBANA CARIOCA...ocupação militar é a solução...


O que está acontecendo nas ruas cariocas é apenas o agravamento do cotidiano das favelas descendo para o "asfalto", enquanto as autoridades não pararem de encarar a situação das favelas cariocas, dominadas por traficantes e milicianos, como uma situação real de guerra civil urbana.
Com armamento de alto poder de destruição, muitas vezes superior inclusive ao usado por algumas forças especiais da policia e do exército brasileiro, esses bandidos espalham o terror nas comunidades carentes da "cidade maravilhosa", e sempre que recebem um ordem de seus superiores hierárquicos, geralmente enviada de dentro de cadeias, aterrorizam áreas mais nobres da cidade.
Não creio que haja alguma solução para essa situação que não seja a ocupação total das áreas onde esses grupos armados se escondem e a eliminação sumária de seus líderes.
E se tratando de uma guerra, nada mais justo do que acionar as forças armadas para essa tarefa, pois os militares do exército, marinha e aeronáutica passam dia após dia em quarteis sem fazer nada ou coisa nenhuma, o governo tem que botar esses homens pra trabalhar, pois eles já não protegem as fronteiras e o Brasil não se envolvem em conflitos externos há anos, tem que justificar seus gordos salários.
Enquanto militares brasileiros morrem no Haiti, em uma guerra que não é nossa, cidadãos brasileiros sofrem na guerra urbana carioca.
A ocupação dos pontos estratégicos do comando da criminalidade já provou que funciona, pois durante o PAN do Rio esse trabalho foi feito pela Força Nacional com grande êxito, o problema foi que logo após o final dos jogos tudo voltou ao normal.
Em 2014 haverá a Copa no Brasil e 2016 as Olimpíadas do RIO, medidas drásticas terão que ser tomadas para que o Brasil não passe vergonha frente ao mundo por causa dessa escória social.
A instalação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) parece ser a primeira ação pra prepara a cidade para reduzir a criminalidade e prepara a cidade para esses mega-eventos esportivos, inclusive o Secretário de Segurança do Estado do Rio de Janeiro afirmou que todas essas ações criminosas em larga escala são retaliações ao avanço das UPP nas comunidades cariocas dominadas pela criminalidade.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

PEC 300 SIM!!! MAS COM RESSALVAS...


O debate sobre a Proposta de Emenda Constitucional nº 300, a popular PEC 300, tão explorada eleitoralmente neste ano, há tempos é visualizada apenas sobre dois pontos de vistas:
  1. O dos policiais que, com toda razão, querem melhoria salarial.
  2. E o dos governantes estaduais e federais que após as eleições posicionam-se contra, alegando que um aumento salarial dessa magnitude em nível nacional "quebraria" o ESTADO.

Mas até agora não consegui visualizar em grande escala o ponto de vista daqueles que vão pagar, ou não, este aumento salarial aos policiais, o POVO.
E como membro desse grupo que paga as contas das decisões tomadas na capital federal, manifesto-me em relação a esse tem tão polêmico:
  1. Sou a favor de que todas as pessoas tenham condições dignas de vida dentro dos padrões da legalidade.
  2. A remuneração em toda e qualquer carreira profissional, seja ela pública ou privada, deve atender aos padrões determinados pelo regime da MERITOCRACIA.
É do conhecimento de todos os brasileiros que dentro das corporações policiais em todo o Brasil há uma enorme quantidade de indivíduos que deveriam estar no bagageiro das viaturas e não nos bancos da frente.
Esses indivíduos mancham a imagem das corporações e envergonham os BONS POLICIAIS.

Será que é justo que, em uma provável situação de aprovação desta emenda constitucional, nós que fazemos parte dessa massa de milhões de cidadãos honestos que compõem a população brasileira, venhamos a arcar com os custos do aumento salarial daqueles que deveriam nos proteger, mas ao contrário disso nos fazem vítimas de extorsão e de uma séries de outros crimes de maior gravidade?
Defendo a idéia de que os bons policiais devem ser beneficiados com a isonomia salarial proposta pela PEC 300.
Mas para isso se faz necessário a aplicação de uma série de medidas que visem LIMPAR as polícias desses indivíduos de índole criminosa que aterrorizam a sociedade, o corporativismo policial gera a impunidade que faz com que, através de nossos impostos, sejamos os pagadores dos salários policiais que não deveriam estar vestindo tão digna farda ou portando distintivos.
Precisamos de policiais bem pagos, mas precisamos mais ainda de policiais honestos e confiáveis, para que não precisemos ter receio todas as vezes que somos abordados em um blitz.
Portanto, sou a favor da PEC 300, mas creio que ela não deve ser aprovada na atual condição em que se encontram as polícias no Brasil.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Diogo Mainard e o absurdo do preconceito "eleitoral"...

Em função da falta de tempo, demorei um pouco a ler a minha revista VEJA desta semana (edição de 17/11/10 pag. 131), lá pelas últimas páginas estava o artigo do DIOGO MAINARD, resolvi lê-lo, coisa que habitualmente não faço, pois não gosto dos seus textos, e para minha surpresa esse Sr. fez retornar à mídia um tema que há algumas semanas atrás estava no foco de vários debates: a XENOFOBIA.


Se antes não gostava de seus textos, hoje posso dizer que gosto menos ainda.
Como se já não bastasse a onda xenofóbica contra nordestinos promovida após a eleição da Presidente Dilma, promovida por indivíduos de baixo Q.I. que se julgam superiores por serem brasileiros como nós, mas nascidos em cidades ou estados localizados um pouco mais abaixo da linha do equador. Se a distância da linha do equador fosse indicativo de superioridade, o mundo seria dominado por esquimós e argentinos da Patagônia. Esse Sr., cuja a revista VEJA desperdiça quase meia página para suas asneiras, citou Euclides da Cunha em seu livro Sertões, quando comparou os eleitores de Dilma Roussef  aos seguidores do Beato Antônio Conselheiro no acampamento de Canudos.

"...UNS BRONCOS, UNS PRIMITIVOS, UNS RETARDATÁRIOS, UNS RETRÓGRADOS, UNS IMPOTENTES, UNS PASSIVOS. ELES ERAM UMA TURBA DE NEURÓTICOS VULGARES, DE DESVAIRADOS, DE DESEQUILIBRADOS INCURÁVEIS. ELES ERAM UMA GENTE ÍNFIMA E SUSPEITA, AVESSA AO TRABALHO, VEZADA À MANDRIA E À RAPINA..."

Este é uma parte do trecho do clássico da literatura nacional que Diogo Mainard citou para descrever a mente e o comportamento dos brasileiros e e consequentemente os eleitores da Presidente eleita, pois o artigo e questão trata de um equivocado prognóstico que ele havia feito em 2008, em que afirmava que Dilma Rousseff chegaria em quinto na eleição presidencial de 2010.
Acho um absurdo que uma revista do porte da VEJA dê espaço para um texto tão absurdos quanto preconceituosos como esse, que possibilita a um indivíduo preconceituoso e xenofóbico manifestar toda a sua postura imunda e politicamente incorreta e simultâneamente prepara a sua defesa jogando a responsabilidade ao renomado escritor e imortal da ABL.
No sistema democrático eleitores tem a possibilidade de eleger seus governantes, mas a máxima do respeito entre vencedores e derrotados deve ser mutuamente respeitada.
Somos todos brasileiros e seremos governados por uma Presidente eleita pela maioria.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

A COMÉDIA DA VIDA REAL...é tudo verdadeiro...

Aviso ao ladrão...


Aviso ao ladrão II...

Desencapetamento...


É proibido cagar...



Sem sinal de celular, qualquer coincidência com Imperatriz, não é mera coincidência...



Que rua é essa ????????????



Vende-se essa merda...


O dono do FUSCA...



Aviso na porta do banheiro...



E O MELHOR DE TODOS É A PROVA DE QUE AINDA HÁ PESSOAS SINCERAS E HONESTAS NO MUNDO...

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Rodovias estaduais ABANDONADAS, cadê o asfalto do governo do Maranhão???

Viajando pelo interior do Maranhão facilmente se percebe as péssimas condições das rodovias estaduais, um exemplo claro deste abandono é a situação em que se encontra a MA-006 que liga Buriticupu a Balsas, passando por cidades importantes como Grajaú, Formosa da Serra Negra e Fortaleza dos Nogueiras.


A MA-006 não tem sinalização vertical nem horizontal, o que ela tem mesmo é buraco por todo lado, as condições de segurança são precárias, inclusive há relatos de assaltos a noite em função da baixa velocidade em que os veículos são obrigados a circular em função das péssimas condições da rodovia.
E contrariando o grande "filósofo" e deputado federal, Tiririca, PIOR QUE ESTÁ, AINDA PODE FICAR, basta ver casos como das rodovias MA-272, 98 Km de poeira e buraco, e a MA-329, 72 Km de poeira e buraco.

Nestas rodovias em que nem asfalto esburacado tem, as pessoas são transportadas como carga, infringindo o código nacional de trânsito, expostos ao sol e à poeira, pois as empresas de ônibus não tem interesse em disponibilizar veículos para essas "trilhas" pois o custo de manutenção seria muito alto. As populações que dependem dessas estradas ficam isoladas pela dificuldade de locomoção, sofrem com os altos custos dos fretes, que inflaciona os preços e prejudica o desenvolvimento das atividades econômicas, e ficam consequentemente isoladas de serviços básicos como saúde e educação.


E para piorar um pouco mais, vemos a chegada das chuvas, que transforma em lama o que era poeira e em cratera o que era buraco.
O que vemos pelo interior do Maranhão são estradas federais em reformas e estradas estaduais abandonadas.
Em um país em que o transporte multi-modal é deficiente, e que quase tudo é transportado através de rodovias, não há desenvolvimento sócio-econômico sem estradas de qualidade.
Os municípios maranhenses que mais sofrem com o descaso do governo estadual com as rodovias do Maranhão são os de pequeno porte, que as tem como, geralmente, como única via de acesso aos grandes centros de comércio e serviço do estado.
Vale ressaltar que foram esses mesmos micro-municípios isolados na sua própria miséria que renderam à atual governadora a "mísera" vantagem que lhe garantiu uma discutível vitória no 1º turno.
Onde está a verba para manutenção das rodovias estaduais?
Onde estão as estradas que o governo estadual anunciava ter feito naquela propaganda de TV com uma "musiquinha" irritante?

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

IMPUNIDADE = (2 x CRIMINALIDADE)² + (SOFRIMENTO DE INOCENTES)²


Essa é a equação da impunidade, pelo menos é assim que a descrevo.
A impunidade é igual ao duas vezes a criminalidade elevada ao quadrado mais o sofrimento dos inocentes também elevado ao quadrado. A criminalidade aumenta porque o criminoso tem a certeza que não vai ser punido, enquanto isso, cada vez mais vítimas e parentes de vítimas sofrem em função da IMPUNIDADE.
Hoje vi a personificação da impunidade em dose tripla.
Estava a trabalho em um cidade próxima a Imperatriz quando vi o trio, pai e dois filhos, que assassinou o Prof. Jeferson, quando o mesmo estava trabalhando como segurança em uma boite, um dos seus três trabalhos, pois além desse, ele dava aulas de karatê e salva-vidas em um parque aquático da cidade, assim foi notíciado em vários meios de comunicação.
A visão era de indignar, ambos estavam gozando de liberdade em dois carros de alto valor. Na minha mente veio imediatamente uma imagem improvável (pois nunca a vi) da família do professor, que chegou a passar necessidades, tendo recebido auxílio de amigos, enquanto seus assassinos desfilam em carrões.
Não vou negar que senti-me mal, me deu um aperto no coração, pensei na minha família e em tantas outras que também não conheço.
Que lei é essa? 
Até quando inocentes vão pagar pela impunidade?
Que Jeferson esteja com Deus.
Que Deus cuide de sua família...amém.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

CAP. NASCIMENTO em Pedrinhas e na Reserva Cana-Brava...

Capitão Nascimento é "o cara" que pode solucionar de vez os problemas em Pedrinhas e na reserva Cana-Brava, entre Grajaú e Barra do Corda. Com sua técnica apurada  na solução de conflitos, ele com certeza, não só resolveria, como "eliminaria" tais problemas.

Lógico que não passa de uma brincadeira, mas todo o sucesso de Tropa de Elite I e II vai muito além da violência contra a bandidagem, tão criticada por demagôgos utopistas de plantão, mas do desejo da grande maioria de pessoas honestas cansadas de serem reféns da bandidagem que se confia na impunidade. O primeiro filme retratou com fidelidade a corrupção policial, e o segundo adicionou à corrupção a corrupção política, duas classes que há muito tempo vitimizam o cidadão comum, principalmente se tratando do nosso estado, a história recente confirma o que digo.
Não quero minhas idéias sejam unanimidade, pois são originárias de um conjunto de fatores que compuseram minha personalidade, e não tenho a menor intenção de fazer apologia a nada nem a ninguém.


Minhas idéias sobre a situação na Reserva Cana-Brava em Barra do Corda:
  1. Há algum tempo postei sobre a situação degradante em que vivem os índios na referida reserva.
  2. Índios quando pegam em armas, agridem, assaltam, mutilam, matam são rebaixados à categoria de bandidos, e devem ser tratados como tal (ver opinião sobre a situação de Pedrinhas).
  3. Não adianta que esses mesmos demagôgos utopistas defendam a sua inocência, pois de inocentes eles não tem nada.
  4. Tinham que parar de pedir esmola, receber tudo na mão do governo e ficar fumando maconha e ir trabalhar.
  5. Se querem mudar sua situação, que elejam representantes políticos que lutem por seus direitos e fiscalizem os repasses das verbas, no Estado democrático as minorias tem essa possilbilidade para melhora de vida.
Minhas idéias sobre Pedrinhas (ou qualquer outra prisão), acabei de saber que a rebelião acabou:
  1. Acredito que a ressocialização tem que partir do indivíduo, não adianta culpar o sistema, os pais, o mundo ou Deus. Todos passam por problemas na vida, uns mais sérios e outros nem tanto, se cada um for procurar um motivo pra virar bandido, todo mundo já teve, tem ou terá um.
  2. Cadeia tem que ser um lugar ruim mesmo, pro indivíduo não querer ir pra lá. A maioria dos que lá estão, estão por vontade própria. Ficam reclamando da comida que é paga com o dinheiro dos contribuintes honestos, sendo que muitos pais de família trabalham o dia todo e não tem nem uma fração do e proporcionado a esses vagabndos. Sempre há uma saída para não se envolver com o crime, pois se dizem que só não há solução pra morte, os mais espiritualizados vão dizer que a morte não é um problema, mas um caminho pra uma vida melhor, então pra tudo tem solução.
  3. Pra finalizar bandido bom é bandido morto e enterrado na vertical de cabeça pra baixo (pois se estiver vivo e tentar cavar pra sair da cova, vai se enterrar mais), independentemente de sua raça, origem ou credo, pois nesse aspecto não tenho o menor preconceito.
Não quero ser o dono da verdade, até porque seria impossível, sei que muitos discordarão, mas a grande maioria de cidadãos de bem concordará comigo.
Democrata, que sou, defendo a liberdade de exposição de idéias e de concordar ou não com elas.

domingo, 7 de novembro de 2010

A imortalidade da boa música...

Neste sábado a noite estive com minha família em uma grande pizzaria da cidade onde gosto de ir, pois além da boa qualidade do estabelecimento, neste dia toca na casa uma banda de rock de nome bastante peculiar: "PILANTROPIA".


Os caras cantam muito, tem um repertório bastante vasto, com clássicos do rock nacional e internacional.






Muita música boa, rock de ótima qualidade, Legião, Metallica, Nirvana, Eagles, Ira...
Músicas do tempo em que os compositores não se preocupavam tanto com o dinheiro que iam ganhar, mas sim com a qualidade das suas composições e a mensagem que elas deixariam para as pessoas que as ouvissem.
Mas o mais legal de tudo foi ver uma mesa que ficava bem em frente ao palco, com aproximadamente 15 adolescentes que vibravam todas as vezes que o vocalista cantava clássicos do rock nacional da década de 80.


Eu que sou um crítico ferrenho dos gêneros musicais atuais (axé-music, bunda-music, corno-music, rima-music, emo-music, sertanejo-universitário...) fiquei muito satisfeito em ver que nem tudo está perdido.
Há adolescentes de bom gosto musical que conseguem resistir a futilidade dos modismos musicais que trazer refrões de fácil memorização e pouco conteúdo.
Lembrando que mesmo após a morte de Renato Russo e o fim da banda, a internet e a pirataria, os CD's da Legião Urbana ainda estão na listas dos mais vendidos.
Eu fui ao Festival Ceará Music 2001 quando morava em Fortaleza, e uma das atrações era Paulo Villa-Lobos e Marcelo Bonfá (remanescentes da Legião Urbana) e convidados, entre eles Roberto Frejat (Barão Vermelho) e vi aproximadamente 40.000 pessoas, de todas as idades, cantarem, em uma só voz, músicas que marcaram uma geração privilegiada por poder viver um momento mágico da música brasileira.
Ainda há uma luz no fim do túnel.
Salve a boa música brasileira, independentemente do estilo, mas que traga em si conteúdo que faça bem à mente e ao coração.

sábado, 6 de novembro de 2010

OPERAÇÃO GALÁTICOS (PF): satisfação, surpresa e decepção...


Estou aproveitando a deixa do <blogdoporão> para comentar sobre um tema que sempre me vem à mente quando me deparo, pelas ruas da nossa Imperatriz, com os indivíduos que foram presos por ROUBO pela internet na Operação Galáticos da Polícia Federal.
Confesso que fiquei demasiadamente satisfeito quando ao acordar naquela manhã, 23 de agosto de 2006, pois como toda pessoa honesta, não gosto de bandido, principalmente de LADRÃO. Mas depois da satisfação com a prisão desses indivíduos, veio a surpresa com a quantidade de empresários que estavam envolvidos com eles, os ramos eram os mais diversificados, donos de restaurante, revendas de automóveis e pneus, entre outros. O envolvimento com práticas ilícitas explicava como esses empresários conseguiam índices de crescimento econômico-financeiros tão altos, proporcionais a forma como eles esbanjavam seu dinheiro sujo.
Depois da satisfação, da surpresa veio a decepção, pouco tempo depois os hackers e os "empresários" estavam soltos e aptos a circular livremente pelas ruas como nós cidadãos de bem que trabalham e pagam suas contas com dinheiro suado.
Ainda citando o <blogdoporão> esses indivíduos continuam do mesmo jeito, desfilando em carros de luxo, gastando dinheiro roubado em restaurantes e danceterias da cidade.
Alguns chegaram ao absurdo de se tornarem "professores" universitários. A minha turma da faculdade, composta de 33 formandos em administração, recusou que um dos indivíduos presos nesta operação fosse nosso professor(a), para não causar conflitos maiores alegamos que essa pessoa tinha pouca experiência profissional, mas todos os discentes e docentes da instituição sabiam, o real motivo da negativa. Ainda tinhamos combinado que se a instituição não respeitasse a nossa decisao e tentasse forçar nos a aceitar, todos nós, no dia da 1ª aula colocaríamos cartões de crédito e dábito sobre as carteiras da sala de aula e assim que o "pseudo-professor" entrasse, todos escondriam seus cartões com o máximo de pressa. Para uma pessoa de bem seria um grande constrangimento, mas para uma pessoa que não tem se envolve com roubo, isso em nada a afetaria, só sente verginha quem a tem, pois como diz minha vó: "vergonha é coisa que não ficou pra todo mundo..."
O incrível é que em alguns casos o indivíduo passa o dia todo dormindo ou "coçando" e a noite sai pra farra, desfilando de carrão e torrar o (muito) dinheiro roubado, e a família jura que ele é "inocente" e que tá sendo "perseguido" injustamente.
A Justiça deveria ter mais respeito com o dinheiro do contribuinte que paga operações cinematográficas e bem organizadas pela Polícia Federal e deixar esses caras apodreceram na cadeia.
Como não seria de bom tom citar nomes e postar fotos, aconselho uma breve pesquisa do Google ou no YouTube, basta colocar a palavra galáticos e é possível ver com detalhes essa operação.

http://www.youtube.com/watch?v=UlWNGb8-S18
http://www.youtube.com/watch?v=jouvMO0dfeE&feature=related

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Espécies invasoras, mais do que um problema ecológico, um problema econômico e de saúde pública...



Neste exato momento, sem que quase ninguém perceba, uma perigosa invasão ocorre por todo o Brasil. O perigo desconhece fronteiras naturais e políticas. A ameaça é uma forma de guerra biológica silenciosa, capaz de aniquilar um dos orgulhos nacionais: a megabiodiversidade brasileira. Os agentes de destruidoras batalhas são organismos (animais e plantas) que vieram de outros continentes, quase sempre trazidos pelo homem, involuntária ou deliberadamente. Quando se instalam, estes organismos disputam espaço e alimento com as espécies nativas, geram rombos na economia, alteram o meio ambiente e trazem riscos à saúde humana.  
Em escala planetária, o problema é tão grave que foi considerado pela União para a Conservação Mundial (IUCN) como a segunda maior causa de perda de biodiversidade. No balanço de danos, as invasoras só ficam atrás da destruição direta de hábitats pelo homem, o que inclui desmatamentos, queimadas e assoreamento de cursos d'água. O estrago é estimado em US$ 1,4 trilhão, em termos globais. No Brasil, as espécies invasoras 'devoram' algo em torno de R$ 49 bilhões a cada ano.
Segundo dados do Instituto Hórus, das 136 espécies exóticas invasoras catalogadas até o momento no país, só 13,4% vieram de modo acidental. O restante entrou com a ajuda de governos e de programas internacionais de desenvolvimento'.
"A importação de espécies obedece apenas ao critério econômico. E pior: na maioria dos casos, só uns poucos se beneficiam dos lucros enquanto os prejuízos são sempre socializados, com perdas para o governo, a população e o meio ambiente", pondera o ecólogo e pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), William Magnusson. Entre as plantas invasoras mais agressivas, estão diversos tipos de capim adotados por pecuaristas ou para controle da erosão nas margens de rodovias, caso das braquiárias e dos capins anonni, gordura e elefante. Um arbusto europeu, o tojo (Ulex europaeus), também se espalhou pelos estados do Sul, reduzindo a disponibilidade de alimento para a fauna e aumentando os riscos de incêndios. Outro problema são as árvores polinizadas pelo vento, como os pinheiros do gênero Pinus, que também ameaçam a diversidade de campos e cerrados naturais e nem sempre são percebidas como invasoras. 


Entre os animais exóticos existem cerca de 60 espécies dispersas em 22 estados. Os invasores que mais preocupam, devido à alta capacidade de dispersão, são o mexilhão-dourado (Limnoperna fortunei), o caramujo-gigante-africano (Achatina fulica), a rã-touro (Rana catesbeiana), o javali (Sus scrofa scrofa) e o búfalo (Bubalus bubalis), todos "importados" para fins comerciais, exceto o mexilhão-dourado, trazido da Ásia na água de lastro de navios cargueiros.
Os peixes - que poderiam se alimentar dos mexilhões e ajudar a evitar a propagação - são suas vítimas e não predadores. Uma vez ingeridos, os moluscos retalham as vísceras dos peixes, causando-lhes a morte.
Na costa nordeste do Brasil, os invasores também são asiáticos. Introduzidos a partir de criadouros despreparados para contê-los em seus limites, os camarões da Malásia e o Vanamey podem ser capturados com mais facilidade do que as espécies nacionais de camarão. No rio Negro, no Amazonas, de onde saem 92% dos peixes ornamentais comercializados no país, a história se repete com duas espécies de peixes exóticos: o Trichogaster trichopterus e a Poecilia reticulata. O primeiro é um peixe omnívoro (come tanto vegetais como pequenos animais), muito agressivo em relação a espécies menores. Natural da Tailândia, adaptou-se tão bem, que hoje está presente na maioria dos igarapés de Manaus, a mais de 400 km da área de soltura irresponsável, rio abaixo.
Entre os invasores terrestres, a pior ameaça vem da África e atende pelo nome de caramujo-gigante (Achatina fulica). Desembarcou em terras brasileiras trazido por criadores de fundo de quintal, que, mesmo sem autorização dos órgãos oficiais, esperavam que o consumidor adotaria o falso escargot como item alimentar. Mas foi tudo miragem: o caramujo nem chegou aos cardápios dos restaurantes e os criadores, frustrados, deixaram milhares escaparem para o meio ambiente.

Bem maiores, mais rápidos e agressivos que os caramujos, os javalis ignoram barreiras e avançam como uma das mais preocupantes espécies invasoras no Brasil. Chegaram à América do Sul por volta de 1904, trazidos da Europa para o pampa argentino como uma opção de caça. Em 1928, alguns indivíduos foram levados para Colônia, no Uruguai, com a mesma finalidade. Livres, os javalis se dispersaram e chegaram até a fronteira com o Rio Grande do Sul. Em 1989, a estiagem baixou o leito do rio Jaguarão, na divisa, e os javalis passaram para o território brasileiro. Sem predadores naturais, reproduziram-se aos milhares e se disseminaram para o norte, por todos os Estados da região Sul e interior de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. Os produtores rurais são os mais prejudicados. 

Bem mais ao norte, em plena Reserva Biológica do Guaporé, em Rondônia, milhares de búfalos exóticos circulam livremente onde a lei não permite nem assentamentos humanos. Levados para lá na década de 80 como alternativa econômica, eles romperam as cercas e invadiram áreas importantes para a conservação ambiental. Os rios da reserva estão comprometidos, no solo pisoteado já não crescem plantas e os buritis, palmeiras típicas da região, já desapareceram da paisagem, sem que ninguém saiba como tirar os invasores de lá, vivos ou mortos.

TRECHO RETIRADO DO ARTIGO:  http://eptv.globo.com/terradagente/NOT,0,0,271841,Isso+e+uma+invasao.aspx

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Pedofilia no HAMAS (Palestina)...

RECEBI ESSE E-MAIL E FIQUEI CHOCADO, ACHEI DEVERIA COMPARTILHAR COM A BLOGOSFERA.



CASAMENTO COLETIVO  DE  450 HOMENS COM MENININHAS   COM MAIS   DE 4 ANOS E MENOS DE 10 ANOS DE IDADE EM GAZA.



A História Oculta do Mundo: A Pedofilia do Hamas 

 Enquanto a imprensa exalta os "lutadores da  liberdade do Hamas", os 
 "rebeldes", o  mundo desconhece  uma das  histórias mais SÓRDIDAS 
 de abuso infantil, torturas e sodomização do  planeta, vinda  do  fundo 
 dos  esgotos  de  Gaza:   - Os  casamentos  pedófilos  do  Hamas,  que 
 envolvem até crianças de 4 anos.Tudo com a devida autorização da lei 
 do islamismo radical. 

 A denúncia é do Phd Paul L. Williams e está  publicada no blog thelastcrusade.org e é traduzida com exclusividade no Brasil pelo  De Olho  Na  Mídia... (ninguém  mais  na  imprensa  nacional  pareceu  se interessar pelo assunto).
Um evento de Gala ocorreu em Gaza.  O Hamas foi  o patrocinador de um  casamento  em  massa  para  450  casais.  A  maioria  dos  noivos estava  na  casa  dos  25  aos  30 anos;  a  maioria  das  noivas tinham menos de dez anos!
Grandes  dignitários  muçulmanos, incluindo Mahmud Zahar, um líder do Hamas  foram pessoalmente  cumprimentar  os casais que fizeram parte desta cerimônia tão cuidadosamente planejada.

O Centro Internacional Para Pesquisas Sobre Mulheres estima agora que existam 51 milhões de noivas infantis vivendo no planeta e quase todas em países muçulmanos.
 Quase 30% destas pequenas  noivas  apanham  regularmente  e  são molestadas por seus maridos no Egito; e mais de 26%  sofrem  abuso similar na Jordânia.
 Todo ano, três milhões de  garotas  muçulmanas  são  submetidas  a mutilações genitais, de acordo com a UNICEF.  A prática ainda não foi proibida em muitos lugares da América. 

A prática da pedofilia teria base e apoio do islã. O livro Sahih Bukhari em seu quinto capítulo traz que Aisha, uma das esposas de Maomé teria  seis anos quando se casou com ele e as primeiras relações íntimas ocorreram aos nove. O período de espera não teria sido por conta da pouca idade da menina, mas de uma doença que ela tinha  na  época.  Em  compensação, Maomé teria sido generoso com a menina: permitiu que ela levasse todos os seus brinquedos e bonecas para sua tenda... 




 Mais ainda: talvez o mais conhecido de todos os clérigos muçulmanos deste século, o Aiatóla Komeini, defendeu em discursos horripilantes a prática da pedofilia:




       “Um homem pode obter prazer sexual de uma criança tão jovem quanto um bebê. Entretanto, ele não pode penetrar; sodomizar a criança não tem problema. Se um homem penetrar e machucar  a criança, então ele será  responsável  pelo seu sustento o resto da vida. A garota entretanto,  não fica sendo contada entre suas quatro esposas permanentes. O homem não poderá também se casar com a irmã da garota... É  melhor para uma garota  casar neste período,  quando  ela vai começar a menstruar, para que isso ocorra na casa do seu marido e não  na casa do seu pai.  Todo  pai que casar  sua  filha  tão jovem terá assegurado  um lugar permanente no céu.”

 





segunda-feira, 1 de novembro de 2010

No nordeste não tem abestado...

Se o eleitor do nordeste fosse abestado, o Tiririca teria se candidatado pelas bandas de cá, como ele sabe que aqui em cima o povo não é trouxa, se candidatou em São Paulo.

Deixando de lado as brincadeiras, é um absurdo que alguns poucos indivíduos de pouca inteligência, oriundos do sudeste e sul do país, com pouco ou nenhum conhecimento sobre o Brasil e seu processo eleitoral, estão espalhando pela grande rede de computadores uma onda xenofóbica contra os nordestinos, acusando-nos de ter eleito a Presidente Dilma Rousseff.
Se esses pessoas tivessem feito uma pequena análise antes de disparar seus absurdos na internet veriam que mesmo se todos os votos das regiões norte e nordeste fossem anulados o resultado não mudaria.
Os textos xenofóbicos possuem tantos absurdos que deveriam analisados pela justiça, e seus autores deveriam ser punidos.
Inclusive acredito que o Presidente Lula e a Presidenta eleita Dilma deveriam vir a público comentar e repudiar esse absurdo. O Brasil é um só, e sua democracia e diversidade étnica e cultural o faz um dos países mais admirados do mundo, embora muitos pensem o contrário, basta conversar com qualquer pessoa de outro país ou brasileiro que tenha viajado para o exterior.
Nunca seremos um país desenvolvido social e economicamente sem que haja um sentimento de unidade nacional.

PENSO, LOGO EXISTO (René Descartes)...

PENSO, LOGO EXISTO (René Descartes)...

Seguem esse blog: